RBM 29/1 (Sumário)

Música no espaço luso-brasileiro




     
PDF Edição Completa
     

A Revista Brasileira de Música persiste em sua nona década de existência celebrando a música brasileira e suas intersecções com a cultural musical de outros países e o pensamento musicológico internacional. A RBM consolida sua política editorial de internacionalização e democratização do acesso ao conhecimento, e busca promover o aprofundamento das abordagens musicológicas e seu redimensionamento por posturas interdisciplinares.

O eixo temático “Música no espaço luso-brasileiro”, deste volume, irmana-se com um conjunto de estudos apresentado anteriormente neste periódico, “Repercussões do longo século XVIII” (RBM, v. 23, n. 2, jul-dez. 2010), e oferece mais um conjunto de artigos que enfoca as relações históricas, musicais, culturais e musicológicas entre Brasil e Portugal. Os referidos volumes relacionam-se ainda à perspectiva apresentada no volume imediatamente anterior (RBM, v. 28, n. 2, jul-dez. 2015), ao integrar-se ao “sistema mundo” (Wallerstein) por meio de práticas musicais pertencentes a estruturas institucionalizadas do saber historicamente situadas e que, no entanto, contém em si possibilidades de reposicionamento das relações entre “centro” e “periferia” e de reinventar visões de mundo.

A Revista Brasileira de Música agradece reiteradamente à equipe editorial pela dedicação a este projeto, à diretora da Escola de Música da UFRJ, Maria José Chevitarese, ao coordenador do Programa de Pós-graduação em Música, Pauxy Gentil Nunes, aos colegas da Comissão Deliberativa do PPGM e da Comissão Executiva da RBM. Presta mais uma vez sua deferência aos membros do Conselho Editorial e aos pareceristas ad hoc pela competência e prontidão às nossas demandas. Na qualidade de editora-chefe, deixo aqui um agradecimento especial aos caríssimos companheiros de batalha, Marcos Nogueira e Francisco Conte, pelo infatigável trabalho que tornou possível a confecção desses volumes recentes.

Que esta publicação possa lançar novas perspectivas ao leitor.


EDITORIAL

PDF Texto completo


ARTIGOS


Polémicas musicais entre «Practicos» e letrados: a dúvida entre Caetano de Melo de Jesus e Gregório de Sousa e Gouveia (Vila da Cachoeira, Recôncavo da Baía, 1760)

Mariana Portas de Freitas

Resumo

Em Salvador da Baía, nos meados do século XVIII, as principais festividades do calendário litúrgico eram pontuadas por música de «canto de órgão» com acompanhamento instrumental, assegurada pelos mestres de capela das principais igrejas. O investimento no aparato musical da Sé Catedral, centro do poder eclesiástico, era emulado por outras igrejas sustentadas por confrarias e irmandades laicas, como a Santa Casa da Misericórdia, que por vezes disputava à Sé a primazia no esplendor das cerimónias. Neste contexto, Caetano Melo de Jesus e Gregório de Sousa e Gouveia relacionaram-se numa amizade temperada pela rivalidade artística e profissional. Na Vila da Cachoeira iniciaram uma disputa teórica acerca da sintonização dos meios-tons nas vozes e nos instrumentos. Reduzida a escrito por ambos músicos, um confirmando, e o outro questionando o quadro teórico vigente, a polémica iria fechar a Escola de Canto de Orgaõ como uma espécie de “peroração” final ou recapitulação do tratado baiano.

Palabras clave

Tratado musical – teoria musical – música luso-brasileira – período colonial – século XVIII – temperamento musical – afinação de instrumentos.

PDF Texto completo

 

Dûvida de Gregorio de Sousa e Gouvea (ca. 1760) de Caetano de Melo de Jesus: transcrição diplomática e glossário

Mariana Portas de Freitas

Resumo

Transcrição diplomática do documento inédito Dúvida de Gregório de Sousa e Gouvea (ca. 1760) de Caetano de Melo de Jesus, mestre de capela da Sé Catedral da Bahia entre as décadas de 1730 e 1760. O texto integra-se entre os anexos da Parte II do tratado manuscrito de teoria musical Escola de Canto de Órgão (1759-60) do mesmo autor, conservada na Secção de Reservados da Biblioteca Pública de Évora. A transcrição diplomática é seguida de um glossário de termos que explica seu significado coevo.

Palavras-chave

Tratado musical – teoria musical – música luso-brasileira – período colonial – século XVIII – temperamento musical – afinação de instrumentos.

PDF Texto completo


Instrumentos musicais na Dûvida de Gregorio de Sousa e Gouvea in Escola de Canto de Orgaõ de Caetano de Melo de Jesus

Mariana Portas de Freitas

Resumo

Levantamento dos instrumentos musicais citados na polémica teórico-musical Dúvida de Gregório de Sousa e Gouvea (ca. 1760), de Caetano de Melo de Jesus, e a atribuição coeva de instrumentos perfeitos e imperfeitos, apresentando uma análise comparativa com autores coetâneos, representados em Rafael Bluteau, Vocabulario Portuguez & Latino (1728).

Palavras-chave

Tratado musical – teoria musical – música luso-brasileira – período colonial – século XVIII – organologia – afinação de instrumentos.

PDF Texto completo


O Cantum Ecclesiasticum e o Ordo Amplissimus, dois manuais portugueses de música para a liturgia de defuntos

José Filomeno Martins Raimundo

Resumo

No presente estudo faz-se uma descrição do conteúdo de dois manuais de música, compostos para a liturgia de defuntos. Trata-se de manuais pós tridentinos: o Cantum Ecclesiasticum, cuja primeira edição conhecida é de 1614, da autoria de Filipe de Magalhães e o Ordo Amplissimus, editado em 1603, de que se conhecem apenas dois exemplares, da autoria de Duarte Lobo, Bento Godinho e Bartolomeu Vicente. A importância atribuída à morte, como se pode constatar pelo número de edições dos manuais, e a prática de orar pelos defuntos  desde os primeiros tempos do Cristianismo até ao século XVII, são aspectos centrais neste estudo. Os dois manuais, ao fazerem parte do repertório da música pelos mortos, constituem-se como documentos importantes na compreensão do modo como, ao tempo, era marcada a transição desta vida para a outra e a atenção posta na comemoração dos defuntos.

Palavras-chave

Música e ritual – liturgia musical – prática musical nos funerais – século XVII – música ibérica – Filipe de Magalhães – Duarte Lobo.

PDF Texto completo

 

Music and ceremonial in Fernão Cardim’s Jesuit letters (1583-90)

Eduardo Sola Chagas Lima

Resumo

Este artigo aborda as cartas de Fernão Cardim ao seu empregador português, em que ele fornece detalhes sobre as missões da Companhia de Jesus no nordeste brasileiro ao fim do século XVI. Este estudo enfatiza o contexto histórico dessas cartas e concentra-se nos relatos de música cerimonial, com atenção especial a temas como inculturação jesuítica e adaptabilidade. Ao analisar o engajamento e interação musical peculiar dos jesuítas com os nativos e suas práticas cerimoniais, este artigo avalia as implicações dessa integração no ritual católico jesuíta. Esta pesquisa também explora o relato de Cardim sobre a interseção entre cerimônias cristãs e rituais locais como sendo um dos primeiros sinais documentados de sincretismo religioso em território brasileiro.

Palavras-chave

Música e ritual – música cerimonial – enculturação – sincretismo religioso – missionários jesuítas – música ibérica – Fernão Cardim.

PDF Texto completo

 

Towards a classificatory organology of the viola and the violão in nineteenth-century Rio de Janeiro

Renato Moreira Varoni de Castro

Resumo

Este artigo investiga a organologia da viola e do violão no Rio de Janeiro do século XIX discutindo dificuldades em traçar incontroversa história daqueles instrumentos e incertezas em relação às suas terminologias, morfologias e números de cordas. Mostra-se como a tradução em lingua Portuguesa do sistema transcultural de classificação de instrumentos musicais Hornbostel-Sachs (1914), cria problemas para o estudo de instrumentos dedilhados no contexto luso-brasileiro. Este trabalho questiona, ainda, histórias canônicas sobre a guitarra na Europa mostrando que apesar de terem sido traçadas algumas linhas de descendência que explicam a gênese do instrumento moderno, a própria peculiaridade de tal tipo de cordofone dedilhado problematiza sua classificação por historiadores. O autor conclui o artigo propondo que se pode traçar um continuum entre a viola e o violão que encapsule os vários pontos de referência de diferença organológica entre a diversidade de cordofones no Rio de Janeiro.

Palavras-chave

Organologia – Sistema Hornbostel-Sachs – cordofones dedilhados luso-brasileiros – viola – violão – guitarra de Belchior Dias.

PDF Texto completo

 

A commedia na música religiosa: kyries como ouvertures em três missas de José Maurício Nunes Garcia

Diósnio Machado Neto

Resumo

Na cultura musical luso-brasileira, a adesão aos princípios napolitanos chegou por dois caminhos: o gosto operístico da Coroa e, de forma interligada, o modelo de ensino do Seminário da Patriarcal, a mais importante escola de música religiosa do Império Português. Usando as palavras de Scheibe, a música portuguesa era italianizada. Diversos sintomas apresentam as dificuldades que se tinha para encontrar consenso numa época de profundas transformações na relação do mundo religioso com o secular. No imaginário iluminista, a única música possível era a que formava cânone a partir de Pergolesi. O objetivo desse texto é através de três kyries de missas-cantatas de José Maurício Nunes Garcia (Missa de Nossa Senhora da Conceição; Missa Pastoril e Missa de Santa Cecília) discutir a consciência do compositor em relação a modelos de discurso musical associados ao estilo eclesiástico e o galante, bem como a “mescla de gênero” (Mischmasch) advinda da música italiana (diga-se napolitana) e de compositores italianizados. Ademais, tratar de demonstrar como o trânsito entre os dois campos – eclesiástico e teatral – chegou a tal ponto que um kyrie passou a ter uma função de abertura de ópera, ou seja, a de introduzir o sentido afetivo do ato, no caso, o próprio ato litúrgico. Como problema secundário, o texto trata de expor o domínio de José Maurício da escrita tópica. Na trama de seus discursos emerge o domínio dos esquemas tópicos correntes na música europeia que o legitimavam como músico cortesão. Trata-se sobretudo de um texto sobre a retórica de um mestre de capela conjugando as forças de sua presença reinol, e mestiça, numa corte no exílio.

Palavras-chave

Música luso-brasileira – período colonial brasileiro – música religiosa – Escola Napolitana – retórica musical – tópica musical – José Maurício Nunes Garcia./p>

PDF Texto completo

 

A presença portuguesa no Theatro da Paz às vésperas da retomada das temporadas de ópera em Belém do Pará

Mário Alexandre Dantas Barbosa

Resumo

O presente artigo oferece um panorama da presença de música e músicos portugueses no principal palco da capital paraense, o Theatro da Paz, ao fim de um triênio marcado pela ausência de temporadas de ópera. O levantamento aqui realizado, fruto de pesquisa em periódicos de época, cobre o segundo semestre de 1899 e mostra como a sociedade belemense foi suprida nesse período por espetáculos de gêneros afiliados ao teatro musicado. Busca dimensionar a importância do trânsito cultural de artistas e repertórios de origem lusitana no efervescente centro artístico do Norte do Brasil no apogeu de sua Belle Époque.

Palavras-chave

Relações culturais Brasil e Portugal – Belém do Pará – século XIX – opereta – teatro musical – companhias de ópera.

PDF Texto completo

 

Ad dissonantiam per consonantiam”: the scope and limits of Darius Milhaud´s system of “Polytonalité harmonique”: the esthesic level (Part 2)

Manoel Aranha Corrêa do Lago

Resumo

Na primeira parte deste estudo, publicada no número anterior desta revista, o sistema de “politonalidade harmônica”, proposto em 1923 por Darius Milhaud, foi discutido no contexto da teoria da “tripartição” de Molino & Nattiez, segundo as categorias dos níveis “imanente” e “poiético”. Dando continuidade nesta segunda parte, o sistema “P. H.”, assim como as primeiras controvérsias em torno da politonalidade, são examinadas na perspectiva do “nível estésico”. Também é sugerido que o princípio geral, e, na realidade, fundamental, da “politonalidade harmônica” – i.e., o de decisões composicionais em favor de agregados harmônicos “dissonantes” que apresentam a característica de serem redutíveis à superposição de acordes tradicionais “consonantes” (accords classés) – dá-lhe uma abrangência além do repertório do início do século XX, permitindo entender procedimentos posteriores de escrita em compositores, tais como Messiaen, Ligeti, Schnittke, Glass, Widmer e Krieger.

Palavras-chave

Politonalidade harmônica – poliharmonia – polimodalismo – teoria dos conjuntos – tripartição – Charles Koechlin – Darius Milhaud – Igor Stravinsky.

PDF Texto completo

 

ARQUIVO DE MÚSICA BRASILEIRA

Notas introdutórias ao Lundu de Marruá

Edilson Vicente de Lima

Resumo

Breve apanhado sócio-histórico do lundu – gênero de dança, canção e instrumental luso-afro-brasileiro – e apresentação da edição musicológica do Lundu da Marruá, a partir do documento P-Ln, M.M. 4460 pertencente à Biblioteca Nacional de Lisboa, Portugal. Os poucos manuscritos musicais ainda existentes de alguns lundus sugerem que a variação, a glosa e o improviso eram práticas musicais comuns aplicadas àquele gênero durante o período

Palavras-chave

Música brasileira – música luso-afro-brasileira – música popular – lundu – Brasil Colonia

PDF Texto completo

Landum do Marruá (edição de Edilson Vicente de Lima)

atrib. D. Francisco da Boa Morte

PDF Texto completo